em África do Sul

SAFARI ÁFRICA DO SUL: KRUGER

O Kruger National Park é o principal parque de safari na África do Sul e uma das maiores concentrações de vida selvagem do mundo. Foi criado em 1988 para ajudar a proteger os animais em uma área de quase 20 mil Km² e é um dos destinos mais procurados de quem vai ao continente.

COMO CHEGAR

É possível chegar ao Kruger de diversas formas: devido a sua grande extensão, existem 11 portões que dão acesso ao parque. As mais comuns são de avião através do Aeroporto Internacional de Nelspruit, cidade que fica a mais ou menos 1 hora do Numbi Gate ou de carro a partir de Johanesburgo (cerca de 5h de viagem).  

É importante verificar qual o portão mais perto de onde estiver vindo ou indo e os horários que abrem e fecham.

Safari Kruger, Distância entre portões
Distância entre portões

Oficialmente só é possível entrar e sair do parque respeitando estes horários, embora existam exceções desde que seja avisado com certa antecedência, comprovados os motivos para o atraso e que o camping a ser acessado esteja a menos de 10km do portão de entrada. 

O parque faz ainda fronteira com o Zimbábue e Moçambique. Eu cheguei por Moçambique (Crocodile Bridge fica a apenas 2 horas de Maputo) e na volta segui para Johanesburgo. As estradas são muito boas, principalmente a que liga a Johanesburgo, o que pode ser explicado pelo alto valor dos pedágios, a viagem leva cerca de 5 horas.

A entrada ao parque, uma taxa de conservação, é paga na recepção.

QUANDO IR

A melhor época para visitar o parque é na estação seca (inverno: de julho a setembro) quando a mata fica baixa e sem muitas folhas, a ausência de abundância de água facilita também a visualização, pois os animais se aglomeram nos lagos, rios para beber água! No verão é bastante quente e chuvoso, além de ter mais insetos.

Safari Kruger, África do Sul

BIG 5: QUANTOS DIAS

O desejo de todo mundo que vai fazer um safari é ver os Big 5 que nada mais é do que ver: leão, leopardo, elefante, búfalo e hipopótamo. No Kruger é possível ver todos eles, mas óbvio que tudo depende da sua sorte e quanto mais tempo ficar mais chances tem.

Tem pessoas que ficam um único dia assim como outras que ficam 5 dias ou até mais. Eu fiquei 2 dias e 1 noite e apesar de ter visto 4 dos Big 5 (não vi o Leopardo) eu acho que foi o suficiente. Fazer safari é muito legal, porém depois de algum tempo começa a ficar cansativo/repetitivo. No inicio você vai ter a sensação de querer ficar por muito tempo, principalmente quando vê os primeiros animais, mas depois que passa a ser corriqueiro eles começam a fazer parte da paisagem além de ser um pouco entediante quando não se avista nada, apenas a savana.

Para quem for ficar mais dias o ideal é ir trocando de camping, assim muda a paisagem e aumentam as chances de ver coisas diferentes. 

ONDE FICAR

No sul do parque estão os maiores e a maior parte dos alojamentos/acampamentos. Imagino que seja em função da maior facilidade de acesso das pessoas. Os acampamentos mais conhecidos/estruturados são o Lower Sabie, Skukuza e Crocodile Bridge. Em geral oferecem alguns tipos de acomodação que variam de Campings, Tendas e Bungalows. Eu fique no Skukuza que é o maior deles e realmente tem uma ótima estrutura com loja, restaurante muito bom, internet e lanchonete. Não é permitido dormir dentro do carro e paga-se uma taxa de conservação por noite dentro do parque. Se for ficar mais que duas noites sugiro mudar de camping para mudar a paisagem e aumentar possibilidades. As reservas de hospedagem (e passeios) podem ser feitas diretamente pelo site da San Parks https://www.sanparks.org/ que é o representante de todos os parques nacionais da África do Sul.

Dica: Verifique o portão mais perto do acampamento que for ficar principalmente se estiver próximo ao horário de fechamento dos portões. 

SELF DRIVE X GAME DRIVE

Todos os Safaris Africanos realizam o chamado Game Drive, que nada mais é do que sair naqueles Jeeps com um guia a procura dos animais. Existem diferentes “modalidades”: Morning Drive (5 da manhã), Sunset Drive (pôr do sol) e o Night Drive (9 da noite). Os passeios têm cerca de 3 horas de duração e são realizadas nos horários considerados mais propícios para ver os animais e são organizados pelo próprios camping ou online (https://www.sanparks.org/)

No Kruger, além do Game Drive é possível ainda dirigir por conta própria, o que eles chamam de Self Drive. Basta ter um carro e sair por aí, respeitando a sinalização de onde pode entrar ou não. Tem estradas pavimentadas e não pavimentadas, mas que permitem ir com um carro convencional sem problemas.

Mas qual é melhor?

Fiz os dois e existem vantagens e desvantagens em cada um deles, uma vez lá recomendo fazer os dois mas já adianto que achei o Self Drive mais legal! 

> GAME DRIVE: o olhar mais apurado do guia ajuda a identificar alguns animais além de explicar algumas curiosidades que sozinha ia ser muito difícil saber. Além disso, os jeeps circulam em alguns horários que não é permitido a circulação dos carros convencionais o que pode ser considerada uma vantagem. Uma das expectativas que tinha, era que o Jeep entraria em áreas mais remotas que não fosse permitido no Self Drive, porém isso não aconteceu, pelo contrario, o guia dirigiu boa parte do tempo por uma área pavimentada e pouco se aventurou no “meio da mata”. O fato de estar em um Jeep que cabe cerca de 20 pessoas também dificulta o melhor ângulo para foto e aproximação dos animais.

> SELF DRIVE: A emoção de estar na estrada sozinha e avistar um animal trazem um senso de aventura com uma leve sensação de medo que considero impagável, torna o momento mais selvagem e mais próximo da natureza. Apesar de só poder dirigir no horário de abertura do parque não prejudicou em nada ver os animais, pelo contrário, vimos mais quantidade e variedade sozinhas do que com o guia. Além disso, existe a liberdade de escolher onde entrar, quando parar e os melhores ângulos para tirar fotos e ver os animais sem horário para acabar. Além disso, o self drive permite ir de um ponto ao outro sem a necessidade retornar onde estava inicialmente o que aumentam as possibilidades!

Leão, Big 5, Safari Kruger, África do Sul

Outra opção oferecida nos acampamentos são as caminhadas. Isso mesmo, caminhada! Eu falei que não é permitido sair do carro fora das áreas indicadas né? Mas neste passeio o grupo sai com guias (devidamente armados) no meio da mata para ver os animais. Não fiz este, mas faria se tivesse mais tempo.

O Kruger foi o primeiro e único safari que fiz na vida e confesso que fiquei bastante na dúvida entre lá e outros safaris na África como o Etosha (Namibia), Serengueti (Kenya) e Chobe (Botswana). Depois de passar pela experiência, concluo que o Kruger vale como primeira experiência, pela praticidade de organizar a viagem por conta própria e baixo custo envolvido, acredito que seja a forma mais econômica de fazer um safari na África. Porém imaginava que fosse encontrar um ambiente um pouco mais selvagem que acredito que seja um pouco do cenário dos outros safaris que mencionei acima, mas que precisariam de mais tempo e dinheiro para fazer. Fica para a próxima!

 

RECOMENDAÇÕES

  • Deslocamento: Não existe um sistema de transporte do parque entre os acampamentos, todo o trajeto tem que ser feito com carro próprio ou passeio já organizado com agências.
  • Velocidade/Ruas: Dentro do parque existe uma ótima sinalização e estradas pavimentadas e estradas de terra. Nas estradas pavimentadas a velocidade máxima é 50km/h e nas não pavimentadas 40km/h. Apesar de parecer não existir nenhum controle de velocidade, eu vi radar “humano”.
  • Medidas de segurança: dentro do parque precisa ficar o tempo todo dentro do veículo. Só pode descer nas áreas indicadas e acampamentos.
  • Malária: no Kruger pode existir foco de malária então a recomendação é usar bastante repelente. Eu comprei um no Brasil chamado Exposis Extreme e que tem o principio ativo para combater a malária. Algumas pessoas também tomam medicação preventiva.

KRUGER: CONFIRA ABAIXO ONDE FICA CADA LUGAR!

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

O que fazer em Cape Town: Trilha Lions Head